O Conhecimento

O conhecimento é inútil a menos que você o compartilhe.

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Incluir Item Menu

Para incluir item na arvore do menu
Inclusao do item zkof011 – atualiza tabela de x para - material
Chamar a se 43 e clicar  no óculos depois escolher a opção AMPLIAR
CLICAR  NO MENU E ESCOLHER DEPOIS O LAPIS
ESCOLHER A OPCAO AMPLIAR
ESCOLHER O PACOTE  ZREM
IR NA ARVORE E POSICIONAR AMPLIAÇÃO

ESCOLHER O TEXTO E A TRANSAÇÃO
INCLUIR OPÇÃO
CLICAR DUAS VEZES NO ITEME MUDAR PARA TRANSAÇÃO
DEPOIS SO GRAVAR NO DISQUETE E PRONTO.




Ricardo Moura Braga
Consultor ABAP
Pontual Consultores Associados
 Tel: (31) 3469.7509/7679


Field Symbol - List Table

Codigo para lista tabela com field symbol.

Lista a tabela e todos os campos dela.

*&---------------------------------------------------------------------*
*& Report ZTESTE_RICARDO_FS2
*&
*&---------------------------------------------------------------------*
REPORT zteste_ricardo_fs2.
*PARAMETERS : p_table(10) TYPE C.
PARAMETERS p_table TYPE dd02l-tabname.
DATA: w_tabname TYPE w_tabname,
w_dref TYPE REF TO data,
w_grid TYPE REF TO cl_gui_alv_grid.

FIELD-SYMBOLS: <t_itab> TYPE ANY TABLE.
w_tabname = p_table.
CREATE DATA w_dref TYPE TABLE OF (w_tabname).
ASSIGN w_dref->* TO <t_itab>.
SELECT *
FROM (w_tabname) UP TO 20 ROWS
INTO TABLE <t_itab>.
CREATE OBJECT w_grid
EXPORTING i_parent = cl_gui_container=>screen0.

CALL METHOD w_grid->set_table_for_first_display
EXPORTING
i_structure_name = w_tabname
CHANGING
it_outtab = <t_itab>.
CALL SCREEN 100.




Transações para Aprendizado no SAP

Transações para aprendizado no SAP: abapdocu, dwdm, bibs, libs, gral.



CLASULA FOR ALL ENTRIES

CLASULA FOR ALL ENTRIES
O FUNCIONAMENTO É DA SEGUINTE FORMA:
 A PARTIR DE UMA TABELA JÁ PREENCHIDA PODE-SE SELECIONAR OUTRA TABELA A PARTIR DO CONTEUDO DA PRIMEIRA TABELA, OU SEJA, NA SEGUNDA TABELA VÃO TER TODOS OS ITENS QUE ESTÃO NA PRIMEIRA COM CORRESPONDENCIA VIA CONDIÇÃO NA SEGUNDA TABELA.



Select e Suas Clausulas

ESTRUTURA DO COMANDOS SELECT
SELECT < RESULT>
INTO <TARGET>
FROM <SOURCE>
[WHERE <CONDITION>]
[GROUP BY <FIELDS>]
[HAVING <CONDITION>]
[ORDER BY <FIELDS>]
INNER JOIN ON
LEFT [OUTER] JOIN
CASO QUEIRA REALIZAR O SELECT PULANDO/DESCONSIDERANDO O BUFFER USAR ACLASULA BYPASSING BUFFER
PARA RESTRINGIR O NUMERO DE LINHAS USAR A CLASULA UP TP <N> ROWS
[NOT] BETWEEN
[NOT] LIKE
[NOT] IN
SUBQUERIES:
SELECT ......WHERE <S> [NOT] IN <SUBQUERIE>
SELECT ….. WHERE <S> [NOT] EXISTS <SUBQUERIES>
SELECT IS [NOT] NULL.



segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

ABAP

"If you stop working on fun side projects, learning new techniques, blogging, and participating in communities, you’re going to eventually fall behind. One day, you’ll discover that all the cool kids are “suddenly” doing things you don’t quite understand anymore." Josh Tynjala .....Here

Para falar de ABAP/4, nada melhor que começar com os dizeres acima......

Para começo de conversa quem ainda tem dúvida (eu tinha) do poder desta linguagem (plataforma) não pode deixar de conhecer o Sr. SAP/ABAP.
A simples linguagem de desenvolvimento da SAP (S A P), é supreendente, o poder da plataforma e da integração dos componentes, funções, objetos, programas, dicionário de dados, banco de dados, estruturas, formulários, dentre outros tantos que fazem parte da plataforma é, MAGNIFÍCO.
É lógico que só tenho duas semanas de treinamento oficial é já me deslumbro com a velocidade da produtividade que a plataforma oferece, assim como a integração com o banco de dados.
Ao meu ver é uma visão nova, onde quem vem de uma plataforma baixa, de micro/média informatica, realmente se espanta com o poder do SAP/ABAP em dar escalabilidade na produção/alteração/customização de software.
Muito ainda esta por apreender, estou apenas engatinhando, mas num futuro proximo pretendo uma certificação nesta linguagem.
Vamos aos estudos........

Gestão da Tecnologia da Informação e do Conhecimento


As organizações afirmam ter setores/departamentos (ou programas) de Tecnologia da Informação mas o que praticam, na verdade, é a gestão de ativos de T.I. (hard e soft), e que há o esgotamento por parte das teorias administrativas para lidar com questões inerentes à estes ativos.
Existe ainda uma lacuna a ser preenchida entre a gestão na era industrial e a gestão na era informacional (conhecimento).
Neste cenário, que ainda não existem regras nem normas definidas (ou melhor, as organizações ainda não as usam sistematicamente), as empresas  realizam basicamente uma gestão de recursos de ativos informacionais com forte ênfase estratégica (custos...custos....).
Afirmo também que a informação organizada é, sem duvida, o ponto de partida para gestão de tecnologia da informação (engatinhar pré-historico para o prospero gestão do conhecimento, já presente entra as grandes empresas inovadoras e de vanguarda).
Afirmativo dizer, sem demagogia,  que existe um  hiato entre a era industrial e a era informacional.
A informação (e o conhecimento) são utilizados para reduzir a incerteza e ambigüidade através de praticas de criação, codificação, transferência e compartilhamento da informação (de conhecimento).
O uso da informação esta cada vez mais complexo, de alto custo e seu volume aumenta exponencialmente.
Os altos investimentos em TI quase sempre decepcionam por não serem acompanhados pela gestão do negocio. Dessa maneira, a gestão deve sempre acompanhar a tecnologia da informação porque muito se gasta e se espera da TI porém a tecnologia é incapaz de fornecer as informações necessárias para a execução e administração de negócios.
Ná prática vemos (e vivenciamos) vários exemplos  que apenas alguns conseguem fazer a gestão da tecnologia da informação (do conhecimento), mas muitos pensam que à fazem e outros tantos apenas discursam sobre a mesma.
A tomada de decisão empresarial sempre necessitou de um numero cada vez maior de informação para tentar minimizar o efeito da incerteza.
A gestão da tecnologia da informação (do conhecimento), na minha opinião, poderá suprir e orientar o tomador de decisão no sentido de que o conhecimento organizacional gerado anteriormente apoiará as organizações no desenvolvimento de novas habilidades comerciais, mesmo até aperfeiçoando o que já existe e criando, assim um ciclo vicioso e virtuoso de alimentação informacional e crescimento das organizações.
**FONTE:Texto retirado de resenha feita em outubro/2005 na UFMG – Escola de Ciência da Informação - NITEG - Núcleo de Informação Tecnológica e Gerencial - Curso de Especialização GESTAO ESTRATEGICA DA INFORMAÇÃO - Disciplina – GESTÃO DO CONHECIMENTO - Profº Rivadávia Drumonnd de Alvarenga Neto - Autor: Ricardo Antonio Porto de Moura Braga

ITIL V3 Foundation.

ITIL V3 Foundation.

Agora a coisa anda. Acredito que a T.I. definitivamente incorporará o uso de boas práticas segundo o ITIL V3, conceitos de gestão e dentre outros procedimentos de controle necessários ao bom desempenho diario de T.I..
Sem dúvida nenhuma ITIL (e outros frameworks/metodologia) só vieram para ("normatizar") e acrescentar nos processos/projetos de T.I. e sobre tudo no dia-a-dia de um setor de T.I..
O que as vezes empresas monstruosas (de tamanho) já usam com certa proficiencia, pequenas e médias dispertam para a necessidade de adoção de boas práticas, seja empresas cujo a atividade fim seja a T.I., ou mesmo empresas que precisam estar com seu setor de T.I. sempre alinhado ao negocio, o que na prática hoje, em 95% delas,  é somente uma atitude reativa.
Cerca de mais de 80% dos negocios hoje realizados no mercado não suportados por algum processo de T.I., seja ele, interno ou externo, em algum momento da cadeia de atividade se faz uso de algum dispositivo/processo apoiado em T.I..
Muitos dos conceitos de uma forma bem abstrata pode e deve ser usado em outras linhas de conhecimento e pretadores de serviços em geral. Acredito que isso melhoria muito a prestação de serviço no Brasil.
Em outubro/novembro 2010 fiz um curso de 1 semana presencial e outro pelo site www.tiexames.com.br que durou um pouco mais, ambos sobre ITIL v3 Foundation, achei muito produtivo e proveitoso os cursos com vasto material e sobre tudo com conteúdo magnifico, aulas grandiosas, fica a dica.
O site www.tiexames.com.br disponibiliza inumeros cursos para a parte de governança de T.I., PMP, dentre outros frameworks adotados como boa práticas no mercado hoje.
Clique  aqui para ter acesso a um material onde diz um pouco sobre ITIL v3 Foundation.
Bingo!!! Bingo!!! Score 90%, dia 26/11/2010, a primeira certificaçao a gente nunca esquece.
Fiz uma excelente prova apesar de ter ficado, digamos, um pouco ansioso.
Prova simples, objetiva, muito mais fácil que os simulados que realizei, indico a todos que trabalham com T.I. a realizarem esta certificação, pois o conhecimento não ocupa espaço, as regras, o norte sobre a prestação de serviço de T.I. é muito claro.
A T.I. agora vamos dizer que tem um template, uma padronização, um exemplo, algumas regras ou normas (não fixas), as melhores práticas a seguir e trilhar.
Vamos esolher o próximo(a) framework e usar os 3D (ta na moda) Dedicação, Disciplina e mais Dedicação.
ABS.

Inicio do Blog........

Olá meu nome é Ricardo, hoje dou inicio a mais um projeto (este blog) onde pretendo compartilhar todo (ou parte) do meu conhecimento acumulado em alguns anos em T.I.

"...Porque T.I. não é apenas Hardware e Software, vai mais além, é Informação...."
 
Blogger Templates